salario_produtividade_reforma_trabalhista

Entenda o salário por produtividade

Categoria: 

De acordo com as leis trabalhistas brasileiras, é possível determinar o salário dos colaboradores de várias maneiras e em vários regimes empregatícios. Atualmente, é comum que o valor seja calculado de acordo com o tempo em que o colaborador trabalhou ou ficou à disposição do trabalho (seja por hora, dia, semana, mês etc).

Contudo, existe uma outra forma de realizar este cálculo que vem ganhando notoriedade entre as empresas brasileiras. Trata-se do cálculo com base na produção do colaborador. De acordo com essa maneira, o trabalhador receberia de segundo a quantidade e qualidade dos bens ou serviços fornecidos para o empregador.

Algo mais comum que segue essa linha de remuneração são as comissões por vendas. Conforme o colaborador fecha mais vendas ou bate metas pré-estabelecidas, seu salário aumenta. Esse método de remuneração por produtividade já é muito disseminado no Brasil, seja em pequenas lojas ou em grandes empresas.

Além disso, mesmo que sua empresa decida fazer a remuneração de acordo com a produtividade, a nossa Constituição Federal de 1988 garante que o colaborador receba pelo menos um salário mínimo. Ou seja, caso não ele não alcance as metas pré-estabelecidas de produtividade, ele tem o direito de receber o salário mínimo vigente.

Contudo, a nova Reforma Trabalhista possibilita que a convenção ou acordo coletivo estabelecido entre empregador e colaboradores disponha sobre a remuneração por produtividade e, também, prevê que estes acordos prevaleçam em relação à lei vigente.

Porém, ainda não existe respaldo jurídico para que o salário seja pago exclusivamente por produtividade. Ou seja, ainda não houve nenhum tipo de decisão jurídica dos tribunais trabalhistas que tratasse desse assunto.

Dessa forma, o entendimento geral é de que a determinação presente na Constituição Federal continue valendo, independente do texto presente na Reforma Trabalhista. Isso ocorre porque a Constituição é a lei máxima do país e está acima de todas as outras.

Portanto, caso seja benéfico para sua empresa e para os colaboradores, é possível estabelecer um acordo coletivo onde o salário seria pago apenas conforme a produtividade. Porém, caso as metas pré-estabelecidas não sejam alcançadas, a empresa deverá complementar o salário pago até que ele alcance o valor do salário mínimo vigente no país.

Compartilhar

Comentários

Quem sou eu?

fred-abrahao

Graduado em Direito pela UNIFRAN, o empresário abriu seu primeiro negócio aos 19 anos. Com o know-how e determinação de quem começou cedo no mundo dos negócios, em 2007 criou a Direito de Ouvir e em 2016, a Seu Gado, empresas inovadoras em seus segmentos no Brasil.

Leia mais...